A importância das atividades lúdicas na formação do indivíduo

Os jogos e as brincadeiras são grandes aliados no processo de aprendizagem, já que eles ajudam o desenvolvimento da criança de forma positiva. Quando é trabalhado com o lúdico, desenvolvemos várias potencialidades, dentre elas estão: o prazer, a cooperação, a criatividade e o mais importante aprender a perder.

O lúdico não está apenas no ato de brincar, mas também na leitura. Ao apropriar-se da literatura, a criança começa a descobrir e compreender o mundo, tais atividades desenvolvem a parte motora e psicomotora dos pequenos.

Segundo Vigotsky, através do lúdico a criança solta sua imaginação e exerce grande importância em relação a formação do indivíduo na sociedade. Porém, para despertar as potencialidades da criança é necessário que ela esteja participando de forma ativa, ou seja, que ela tenha a oportunidade de buscar soluções na hora do jogo e é de suma importância que o mediador saiba trabalhar adequadamente com a criança.

Froebel também destaca o jogo como um dos alicerces para ajudar a criança moralmente, intelectualmente e fisicamente. O autor ainda destaca que o jogo colabora em diferentes disciplinas, dentre elas estão: Matemática e Ciências. Foebel relata que: “Brincar é a fase mais importante da infância do desenvolvimento humano neste período – por ser a auto ativa representação do interno a representação de necessidades e impulsos internos.”

A escola deve preparar um espaço que o lúdico, o jogo e a brincadeira se tornem real, colaborando na construção do conhecimento e socialização da criança. Os ambientes devem ser adaptados e os professores preparados para acolher as crianças, dessa forma os pequenos adquirem iniciativa, autoconfiança, concentração, autonomia e liberdade. Enfim, quando as atividades são bem administradas, as crianças e a escola são beneficiadas.

“Ao brincar, a criança assume papéis e aceita as regras próprias da brincadeira, executando, imaginariamente, tarefas para as quais ainda não está apta ou não sente como agradáveis na realidade.” Lev Vygotsky.

 

Carla Fuzatto Cunha – Professora